Meta de déficit zero, discurso de Powell, PIB da China: o que move os mercados hoje

🇧🇷 Ibovespa
O Ibovespa fechou em baixa na segunda-feira, aos 125.334 pontos (-0,5%), repercutindo uma série de eventos ao longo do dia: (i) tensões no Oriente Médio, (ii) dados de vendas no varejo nos EUA mais fortes do que esperado, e (iii) o anúncio de mudança da meta fiscal de 2025 pelo governo. O dólar também reagiu, continuando o movimento de alta da semana passada e chegou a encostar nos R$ 5,21, fechando a sessão a R$ 5,19, perto dos níveis de março de 2023.

No pregão de ontem, o principal destaque positivo do Ibovespa foi BRF (BRFS, +10,2%), após elevação de recomendação por dois bancos de investimento, o que acabou também puxando as ações da Marfrig (MRFG3, +4,8%). Por outro lado, empresas cíclicas marcaram as maiores quedas do dia, principalmente pressionadas pela abertura da curva de juros futuros, com CVC (CVCB3, -9,4%) registrando seu maior recuo das últimas 15 semanas, e Magalu (MGLU3, -7,8%).

Para a sessão desta terça-feira, temos dados econômicos como o IGP-10 de abril e a produção industrial dos EUA referente ao mês de março. O mercado também deve repercutir os dados de atividade da China publicados na noite anterior. Do lado corporativo, a temporada de resultados nos EUA continua, com companhias do setor financeiro reportando seus números, como Bank of America e Morgan Stanley, além de Johnson & Johnson e UnitedHealth.

📊 Renda Fixa
A curva de juros encerrou em forte alta, devido a uma combinação de aspectos globais e domésticos, que trouxeram volatilidade à sessão. O cenário internacional foi marcado, desde o final de semana, por uma aversão ao risco nos mercados, após o acirramento do conflito entre Israel e Irã. Além disso, dados robustos do varejo americano contribuíram para a piora de humor. O rendimento das Treasuries de 10 anos encerraram em 4,63%, ante 4,50% na sexta-feira. Por aqui, a mudança da meta fiscal de 2025 foi o principal catalisador. Com isso, a curva de juros local ganhou inclinação. DI jan/25 fechou em 10,16% (9,5bps vs. pregão anterior); DI jan/26 em 10,44% (22,5bps); DI jan/27 em 10,805% (27,5bps); DI jan/29 em 11,35% (27bps).

🌎 Mercados globais
Os mercados operam em alta nos Estados Unidos (S&P 500: -0,4%; Nasdaq 100: -0,3%), no aguardo de resultados de Bank of America, Morgan Stanley, Johnson&Johnson e UnitedHealth. Ontem, Goldman Sachs divulgou o balanço do primeiro trimestre de 2024, apresentado resultados melhores que o esperado.

Mercados globais apresentam queda na expectativa de desenvolvimentos no Oriente Médio, após o ataque de Irã a Israel no fim de semana. Na Europa, os mercados operam em forte queda (Stoxx 600: -1,5%); enquanto na China as bolsas de Xangai e Hong Kong fecharam o dia negativas (CSI 300: -1,1%; HSI: -2,1%), mesmo após o PIB chinês do primeiro trimestre superar as expectativas.

🪙 Economia
No Brasil, o governo enviou ontem ao Congresso o Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO), estabelecendo uma meta de déficit zero para o próximo ano. Isto representa uma redução no ritmo de ajuste fiscal inicialmente previsto pelo governo quando apresentou o novo arcabouço fiscal, que previa um superávit de 0,5% do PIB após atingir um saldo neutro em 2024 (0,0% do PIB). O anúncio representa um aumento do risco fiscal e, consequentemente, das taxas de juro de longo prazo.

Nos Estados Unidos, as vendas nominais no varejo aumentaram 0,7% em março, enquanto as vendas do grupo de controle (ex-automóveis) cresceram 1,1%. O resultado superou as expectativas do mercado. Na China, o PIB avançou 5,3% no 1º trimestre de 2024 em relação ao mesmo trimestre do ano passado, superando as expectativas do mercado de 5,0%. No entanto, os dados publicados referente a março mostraram um crescimento mais fraco do que o esperado na produção industrial (consenso: 5,4% a/a; real: 4,5% a/a) e nas vendas no varejo (consenso 4,5% a/a; real: 3,1), indicando que estímulos adicionais podem ser necessários. Enquanto isso, a taxa de desemprego atingiu 5,2% em março, permanecendo perto da máxima de 7 meses de fevereiro, de 5,3%.

No Reino Unido, a taxa de desemprego subiu para 4,2% entre dezembro de 2023 e fevereiro de 2024, acima dos 3,9% nos três meses até novembro e superando o consenso de mercado de 4,0%. Os dados globais mostram que a economia do Reino Unido está a enfraquecer num contexto de política monetária restritiva.

Hoje, a agenda de indicadores econômicos está relativamente vazia. Os mercados estarão concentrados no discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, na tarde de hoje.

Fonte: Morning Call – XP

📊🗞 Veja os principais indicadores às 9h05: 16/04/2024

🇺🇸 EUA
Dow Jones Futuro: +0,67%
S&P 500 Futuro: +0,24%
Nasdaq Futuro: +0,16%

🌏 Ásia-Pacífico
Shanghai SE (China), -1,65%
Nikkei (Japão): -1,94%
Hang Seng Index (Hong Kong): -2,12%
Kospi (Coreia do Sul): -2,28%
ASX 200 (Austrália): -1,81%

🇪🇺 Europa
FTSE 100 (Reino Unido): -1,26%
DAX (Alemanha): -0,84%
CAC 40 (França): -1,00%
FTSE MIB (Itália): -1,16%
STOXX 600: -1,13%

🚢 Commodities
Petróleo WTI, -0,55%, a US$ 84,97 o barril
Petróleo Brent, -0,44%, a US$ 89,70 o barril
Minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve queda de 1,49%, a 826 iuanes, o equivalente a US$ 114,10

🪙 Bitcoin
Os preços do Bitcoin caem 4,33%, a US$ 62.974,10

Fonte: InfoMoney

4 minutos de leitura

Compartilhe:

Crie seu cadastro para acessar a área exclusiva do Portal SVN!

Lá você vai encontrar conteúdos exclusivos para investidores de todos os níveis: cursos, web books, lives, ferramentas e muito mais!

Os melhores conteúdos para você realizar os melhores investimentos

Crie seu acesso gratuito

Informe seus dados

Menu

Simulações de investimentos

Descubra o rendimento de diferentes valores no mercado financeiro.